Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Benavente

Página principal
Prev Next
Festa em Honra de N.ª Sr.ª da Paz - Benavente

Eventos

Festa em Honra de N.ª Sr.ª da Paz - Bena…

:: De 04 a 08 de Agosto Na freguesia de Benavente Festa em Honra de N.ª Sr.ª da Paz Organização: Comissão de Festas em Honra de N.ª Sr.ª da Paz » Consulte aqui o prog...

Read more
Corte no Abastecimento de Água - Samora Correia

Notícias

Corte no Abastecimento de Água - Samora …

:: Para mais informações, consulte aqui: CORTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA - Rua Eça de Queirós / Samora Correia...

Read more
Inscrições abertas para a CAF - Samora Correia e Benavente.

Notícias

Inscrições abertas para a CAF - Samora C…

:: Extensões de horário 1º ciclo e pré-escolar  » Estão abertas as inscrições para as extensões de horário para alunos de 1º ciclo e pré-escolar nas escolas da rede públ...

Read more
GAE - Gabinete de Apoio ao Emprego

Notícias

GAE - Gabinete de Apoio ao Emprego

:: GAE  Gabinete de Apoio ao Emprego Está desempregado? Não está fácil encontrar emprego? O GAE pode ajudá-lo! O GAE (Gabinete de Apoio ao Emprego) tem como objectivo c...

Read more
Editais - Conhecimento Público

Notícias

Editais - Conhecimento Público

:: Para mais informações, consulte aqui: Edital N.º 308/2017 - Festas da Barrosa em Honra de N.ª Sr.ª de Fátima Edital N.º 315/2017 - Festa N.ª Sr.ª da Paz, em Benavent...

Read more

Newsletter

Subscreva e receba informações atualizadas diretamente na sua caixa de correio.

Agenda

Mo Tu We Th Fr Sa Su
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31
  SEGUIR

Património Arquitetónico

Património Arquitectónico

O território do concelho de Benavente, de características tipicamente ribatejanas, apresenta uma biodiversidade muito elevada e uma notável diversidade paisagística. A riqueza ambiental é uma característica que nos distingue e nos envaidece, tal como o património histórico, desde a pequena ermida de São Brás, na Barrosa, a Fonte do Concelho de Samora Correia datada de 1758, a Igreja Matriz inaugurada em 1721 ou o Palácio do Infantado, um dos edifícios mais emblemáticos da vila de Samora. Em Benavente, salienta-se o pelourinho que foi erigido em 1516, o Convento de Jenicó mandado construir por D.Luís, o edifico da Câmara Municipal, com a sua majestosa torre metálica, ou o Museu Municipal instalado num palacete do Séc. XVIII. Nesta nota introdutória, resta fazer uma menção ao terramoto de 1909, que destruiu parcialmente muitos edifícios importantes deste concelho, sendo que, posteriormente, sofreram obras de restauro.

 

:: Capela de São Brás :: São Brás :: Barrosa

São Brás da Barrosa é uma pequena ermida, situada na margem esquerda do Rio Sorraia e distando cerca de 3 Km da aldeia da Barrosa, constituindo provavelmente o seu núcleo original. Em seu redor reúne-se um conjunto de casas térreas e, anualmente, na quinta-feira da Ascensão, realiza-se ali a Festa de São Brás. Instituída pelo Padre António Fernandes de Moura, tesoureiro da Igreja Matriz de Benavente, esta capela (datada provavelmente do século XV) foi a mais importante entre as várias que se encontravam vinculadas á Matriz. Estamos perante um templo despojado, de uma nave e de planta rectangular. É possível constatar no lavrado da talha, elementos que se enquadram de modo perfeito com a talha Maneirista.

 

:: Fonte do Concelho :: Samora Correia

A referência mais antiga que existe da Fonte do Concelho, encontra-se nas "Memórias Paroquiais" de 1758, realizadas pelo Padre Luís Cardoso e que consistiam num inquérito dirigido a todos os párocos. Este documento refere a existência de "huma fonte chamada do concelho, que suas águas sam boas para os olhos e de que faz menção (...) medicinal". Embora este documento, constitua a referência documental mais segura sobre a antiguidade desta fonte, as características da sua construção remetem-nos para um período muito anterior, provavelmente para o século XIV, num enquadramento de tradição românica. Muitos dizem que é de origem moura, mas isso não seria possível. Na época dos mouros, toda a margem ribeirinha a Sul do Tejo (onde está situada a vila de Samora Correia), era um ermo. Os mouros não usavam o arco quebrado nas suas construções e a posição da fonte, em relação ao Tejo Velho, permite datá-la como contemporânea da fundação da vila de Samora Correia. Está situada numa das partes mais antigas da vila, incrustada em muros e casas. É uma fonte de construção simples, que apresenta uma arco em pedra de dimensões regulares (3,5 metros de largura por 1,55 metros de altura; este arco está tapado com uma parede), abatido e tecto abobadado revestido com tijolo. No interior, define-se um tanque com cerca de 70 cm de profundidade. É uma construção que não ostenta quaisquer elementos decorativos.

 

:: Fonte dos Escudeiros :: Samora Correia

Fonte dos Escudeiros em Samora Correia

Aparece, referida, na planta da vila de Samora Correia de 1790, com este mesmo nome e está situada na única rua da vila que conserva a toponímia original. Podemos ver na própria fonte a inscrição de 1863, que se julgava ser a da sua construção. Mas dados mais recentes, vieram provar que a sua existência é mais antiga. Esta data de 1863, é a data de uma das remodelações a que a fonte foi sujeita e que lhe veio alterar a configuração inicial. Na década de 70, a Fonte dos Escudeiros foi submetida a um novo arranjo, durante o qual abriram, na sua estrutura, um nicho para a colocação de uma imagem religiosa. Ao lado da Fonte dos Escudeiros, existem umas pequenas escadas, que nos levam até um jardim, conhecido em Samora Correia, como o Jardim da Fonte. Neste jardim, construção mais recente, podemos encontrar um lago construído em 1881 pela Câmara Municipal de Benavente.

 

:: Fonte de Santo António :: Benavente

 Fonte de Santo António em Benavente

A fonte de Santo António, construída no final do século XVIII, constituiu a primeira canalização pública existente na vila de Benavente. A água era canalizada a partir da Fonte de D. João V, existente nos Camarinhais. As pessoas vinham abastecer-se aqui de água, utilizando as tradicionais quartas d'água.

 

:: Cruz do Calvário :: Benavente

 Cruzeiro do Calvário em Benavente

Em Benavente, no ano de 1644, foi erigido, no então denominado "Rocio do Moinho de Vento", um Calvário em mármore de Estremoz.O local da construção passou a designar-se por Largo do Calvário. O cruzeiro foi erigido com a seguinte inscrição: "Esta obra mandarao fazer os irmaos dos Santos Passos em o anno de 1644".O cruzeiro está envolto por um adro, sobranceiro ao Rio Sorraia, de onde se avista toda a lezíria, e corresponde ao limite Norte da vila de Benavente.

Imóvel de Interesse Público, Monumento e Área Envolvente. Decreto-Lei n.º 42692 de 30.11.1959

 

:: Herdade de Pancas :: Porto Alto :: Samora Correia

A Herdade de Pancas é um dos lugares mais antigos de Samora Correia. É citada em muitos documentos do século XIV. O primeiro documento que a refere, data de 1374, quando D. Fernando a doou, como título de residência, a Álvaro Dias Sarrozeira. Pancas esteve sempre ligada a nobres. Esteve na posse de D. Fernando, 3º Duque de Bragança, que foi Senhor de Pancas até 1483, altura em que D. João II o decapitou em Évora, por conspiração contra o Rei e lhe confiscou todos os bens. Era um dos lugares preferidos da antiga fidalguia, pois está situada bem perto do Mar da Palha e de Lisboa. No principio do século XIX (1800), o Senhor de Pancas era José Sebastião de Saldanha Oliveira e Duan, filho dos Condes de Rio Maior, neto do Marquês de Pombal, e que geria a Herdade de Pancas através de administradores e apenas aparecia quando se realizavam caçadas. A Herdade pertence actualmente á família Aires de Carvalho, possui um palácio e uma capela, a Capela do Senhor Jesus da Quinta de Pancas. Em pancas forma encontrados vestígios paleolíticos, nomeadamente utensílios de pedra talhada.

 

:: Igreja Matriz :: Samora Correia

Em 1718, a Igreja existente em Samora Correia foi destruída, para dar lugar á actual Igreja Matriz, consagrada a Nossa Senhora de Oliveira, Padroeira da freguesia. A actual Igreja Matriz de Samora Correia, foi inaugurada e benzida em 1721, tendo sido mandada construir pelo Pároco Freire Henrique da Silva Araújo, da Ordem de Sant'lago da Espada. Para além de ser dedicada á padroeira, Nossa Senhora de Oliveira, consagra-se também, como monumento em honra do Apóstolo São Tiago Maior e da Ordem. A sua área coberta é de 650 m2 e o átrio vedado com gradeamento de ferro, é de 374,5 m2. Mede 14 metros, aos quais acrescentamos mais 6 metros da base das torres sineiras até ao pináculo. Os azulejos que revestem as suas paredes interiores, datam do século XVIII e fazem alusão ao Apóstolo São Tiago. Sobre um grande painel de jarras e florões de variada qualidade, desenham-se quadros da vida de São Tiago Maior, em dois maravilhosos e extensos painéis centrais, de 16 metros de comprimento por quase 2 de altura, ladeados de outros menores. A partir do século XII, São Tiago é apresentado como Apóstolo, pregando e ensinando, guerreiro geralmente a cavalo e com escudo, ou peregrino com manto, bordão, cabaça, largo chapéu e bolsa de couro presa á cintura. na Igreja de Samora Correia, ele aparece representado como peregrino-guerreiro, ao mesmo tempo, combatendo a , com hábito de peregrino e escudo de guerreiro. Os painéis estão simplesmente assinados por P.M.P.. Os terramotos de 1755 e 1909, provocaram vários danos, entre os quais o derrube de muitos azulejos, que depois foram colados á sorte e sem nexo, tendo portanto, ficado os painéis um pouco desfigurados. O altar-mor é em talha dourada, com a imagem da padroeira; do lado oposto ao da epístola, encontra-se um peque no retábulo com a imagem de Nossa Senhora do Ó.

Imóvel de Interesse Público, incluindo os altares de talha dourada, os painéis de azulejo e as pinturas murais. Decreto-Lei n.º 41191 de 18.07.1957.

 

:: Igreja da Misericórdia :: Samora Correia

Esta Igreja teve a sua origem numa antiga Capela do Espírito Santo e data dos finais do século XV, início do século XVI, a avaliar pelos azulejos existentes no seu interior. O edifício da Igreja não conserva, no exterior, o seu traço primitivo. No inicio do século XVIII foi sujeita a uma remodelação, tendo conservado no interior os azulejos, o Cadeiral dos Irmãos do espírito Santo e o Retábulo, que ainda existe na capela-mor e que representa a Visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel. A sua última remodelação ocorreu em 1909. A Igreja da Misericórdia de Samora Correia, está encaixada no edifício das antigas cozinhas do Palácio do Infantado. E, antigamente, estava ligada ao antigo Hospital da vila, por um quintal existente nas traseiras das suas instalações. Possui um espólio de imagens muito rico e valioso. Uma bela Pietá do século XVIII (de madeira, ricamente estofada) e o Senhor Jesus das Misericórdias do século XVII (vindo da Capela de Pancas).

 

:: Convento de Jenicó :: Benavente

Convento de Jericó em Benavente

Em 1542, D. Luís mandou construir o Convento de Jenicó. Este foi construído no sopé de uma pequena elevação, onde em 1626 foi construído o edifício de que hoje apenas restam algumas ruínas. Desta segunda construção, ainda podemos ver os seus muros exteriores, o arranque de arcarias e uma pequena capela, dedicada a São Baco.O Convento de Frades Arrábidos, foi construído segundo os preceitos da Ordem Religiosa a que pertenciam. A construção obedeceu a critérios de pobreza e não tinha quaisquer elementos de ostentação; possuía um dormitório no piso superior, oficinas e uma capela. No piso inferior, tinha a casa de habitação do Infante e um pequeno claustro, cujos lados eram formados por dois arcos que assentavam numa coluna de jaspe.Nesta construção, existiam lindos painéis de azulejos, que foram retirados e aproveitados para revestir as paredes da actual Igreja da Misericórdia de Benavente.

 

:: Quinta da Murteira :: Samora Correia

(em atualização...)

A Quinta da Murteira é nomeada no Foral de 1510. Situada a 2 Km's da vila de Samora Correia, esta antiga quinta foi palco de grandes acontecimentos, como por exemplo as conhecidas touradas reais. Existem documentos que referem ter sido aqui, na Quinta da Murteira, que se terá realizado a "Última Tourada Real". Foi também palco de farras no tempo de D. Miguel, havia até quem lhe chama-se a "Quinta da Maroteira". Agora em ruínas, esta quinta parece ter sido algo de grandioso. Dizem que tinha um lindo palácio, que foi destruído pelo fogo, durante um terramoto. Podemos ainda encontrar um antigo forno, uma adega, uma casa (que parece ser a casa dos serviçais), duas piscinas, bancos de cimento (que devem ter feito parte de um jardim) e duas fontes (que vertem ainda água límpida).

 

:: Palácio do Infantado :: Samora Correia

Palácio do Infantado em Samora Correia

O Palácio da Companhia das Lezírias, actualmente designado por Palácio do Infantado, foi durante muito tempo conhecido como Palácio D. Miguel. Localiza-se no eixo central do núcleo histórico da vila de Samora Correia, assumindo-se como um dos seus edifícios mais marcantes. Datado do final do século XVIII e integrado na antiga Casa do Infantado, nele se fixa, no século XIX, a Administração da Companhia das Lezírias. O edifício manteve-se até 1976, as suas características iniciais, mas nesse ano foi devorado por um violento incêndio que arrasou todo o seu interior, reduzindo a cinzas importantes valores da história da região e do espólio da Companhia das Lezírias. Este edifício apresenta uma construção sólida, que envolve um quarteirão e se desenvolve em dois pisos. Apresenta todas as fachadas cortadas por janelas, no piso térreo, e varandas, no piso superior. O Palácio do Infantado, mesmo destruído no seu interior, permaneceu como referência patrimonial no imaginário colectivo e foi objecto de uma recuperação arquitectónica. Em 1998, o edifício foi reaberto como espaço cultural. Compreende uma Biblioteca, um auditório, galerias de exposição, etc...

 

:: Palhavã :: Samora Correia

Hoje está perdida na margem esquerda do Rio Sorraia, mas em tempos foi uma propriedade de grande beleza. A meia légua da vila, esta propriedade pertenceu aos Condes de Sarzedas e depois aos Duques de Aveiro. Possuía um pavilhão de caça ou paço, e uma ermida, construída em honra de Nossa Senhora da Guadalupe. Este pavilhão de caça ou paço foi mandado construir pelo Conde de Sarzedas e recebeu o nome de Palhavã por arrastamento, visto o nome estar relacionado com a família Sarzedas. Era um pavilhão magnifico com inúmeras janelas revestidas de pedra, que mais tarde foi convertido em palheiro. A ermida encontrava-se em ruínas, quando em 1941 foi destruída para que fosse construído um valado junto ao rio. Ainda restam algumas portadas e janelas, que mostram a grandiosidade da ermida.

 

:: Pelourinho :: Benavente

 Pelourinho de Benavente

Supõe-se que o Pelourinho de Benavente tenha sido erigido em 1516, aquando da atribuição do novo Foral a Benavente por D. Manuel I. enquanto símbolo de jurisdição municipal, o Pelourinho erguia-se junto aos Paços do Concelho, na Praça Principal da vila, onde se encontrava também a antiga Igreja Matriz (derrubada pelo sismo de 1909). No século XVII, o Pelourinho foi transportado para a Praça Nova e colocado á esquerda dos antigos Paços do Concelho, de modo a que nesse local pudessem continuar a ser corridos os touros. Com a construção do novo edifício dos Paços do Concelho, que iria ampliar a área de implantação do anterior, o Pelourinho foi apeado em 1847 e apenas em 1954 foi recolocado, desta vez no centro da nova praça, a actual Praça do Município. O Pelourinho de Benavente "é de muito boa pedra laurada, alto com os seus ferros, e grimpa, e Cruz de São Bento com suas pomas douradas, com cinco degraus a redondo da mesma pedraria" (In Tombo do Concelho, 1574). Antes de ser demolido, o Pelourinho já não apresentava a sua construção inicial, uma vez que se podia notar a ausência da grimpa, da cruz e das pomas douradas. Os ferros que ostentava, na altura da sua demolição, também não seriam os originais. Os que existiam nessa altura, eram utilizados para suster uma balança, pertença da Câmara Municipal, para pesar todas as manhãs o peixe, antes da venda a miúdo, de forma a esta poder cobrar o Imposto do Pescado (In Rui d' Azevedo).

Imóvel de Interesse Público, Decreto-Lei nº 23122 de 11.03.1933.

 

:: Câmara Municipal :: Benavente

Edifício dos Paços do Concelho em Benavente

O edifício da câmara foi construído de raiz para o efeito, em 1875, no local onde anteriormente se situavam os Paços do Concelho. Este edifício albergava, também, o Tribunal, a cadeia e outras repartições públicas. É uma construção de implantação rectangular, definindo um quarteirão e apresenta a sua fachada principal recortada por varandas no 1º piso e janelas no piso térreo. As restantes fachadas ostentam, igualmente, janelas. A porta principal de acesso, abre num átrio lajeado com pedra e de onde parte uma escadaria central, também em pedra, que se desdobra em duas, dando acesso ao 1º piso. O edifício possui, ainda, dois pisos intermédios, um de cada lado, desnivelados entre si. Durante o sismo que abalou a vila de Benavente, em 1909, o edifício sofreu alguns danos. O desabamento do varandim que circundava o telhado e numerosas fissuras nas paredes. Quando se realizaram as obras de restauro, foi introduzido um novo elemento, que hoje é uma referência no edifício, uma torre metálica com miradouro e relógio.

 

:: Núcleo Agrícola :: Benavente

Núcleo Museológico Agrícola de Benavente

O Núcleo Museológico Agrícola, criado em 2000, encontra-se instalado no antigo Matadouro Municipal de Benavente e, mais do que uma proposta de musealização de um espaço relevante no quadro do património industrial concelhio, apresenta uma exposição que assume em pleno a vivência rural desta região. A exposição conduz-nos através do calendário agrícola tradicional, iniciando o percurso nas características da Borda d'Água e seguindo por cada uma das fases de produção, cuja materialização é possível graças ao espólio presente no Museu Municipal.

O Matadouro Municipal de Benavente foi construído em 1890, seguindo o projecto definido em 1886, embora apresentando alterações significativas, nomeadamente no que respeita à diminuição da área de implantação e à redução do número de corpos que compõem o edifício. Como resultado destas alterações, o Matadouro Municipal de Benavente, ficou menor mas manteve a linguagem arquitectónica e orgânica inicialmente propostas.

 

:: Museu Municipal de Benavente :: Benavente

Museu Municipal de Benavente

O Museu Municipal de Benavente encontra-se instalado num palacete do século XVIII, mandado construir por Francisco José Colaço Lobo, antigo lavrador e capitão-mor da vila de Benavente. O edifício funcionou como casa de habitação até meados do século XX, altura em que foi adquirido pelo Dr. António Gabriel Ferreira Lourenço, para lá ser instalado o Pensionato do Colégio de Benavente. Por testamento deste, a casa foi doada á Câmara Municipal de Benavente para criação de um Museu Municipal, cuja designação deveria incluir o nome do dador. A 20 de Dezembro de 1976, foi celebrada a escritura de doação do edifício. Em 12 de Julho de 1981 viria a ser inaugurado o Museu Municipal de Benavente, com a Exposição de Arqueologia "A Arte Rupestre no Vale do Tejo". O edifício é composto por dois pisos, e originalmente possuía ainda, outras construções anexas para estábulos e armazéns, bem como um pequeno jardim, que facilitava o acesso ao exterior, através de um portão contíguo á fachada principal. Esta fachada principal ostenta varandas no primeiro piso e em baixo, uma porta com frontão de pedra. No piso inferior existe um grande átrio de entrada de onde parte, num dos extremos, uma escadaria em pedra que começa num patamar encimado por dois arcos de cantaria. Em 1983, foi construído um anexo contíguo á casa, reduzindo a área do jardim. Os traços originais do edifício nunca foram alterados, e mesmo com o violento sismo, que em 1909 destruiu quase a vila de Benavente, esta sólida construção não sofreu quaisquer danos.

"O museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e que promove pesquisas relativas aos testemunhos materiais do homem e do seu ambiente, adquire-os, conserva-os, comunica-os e expõe-nos para estudo, educação e prazer" (conceito de museu do Conselho Internacional dos Museus – ICOM)

:: O Museu é um espaço da memória colectiva.

O Museu é um laboratório, onde os objectos das colecções se tornam científicos e não curiosidades ou apenas objectos de decoração.

: O Museu é um espaço onde todos podem ir, que recolhe, estuda e conserva os objectos que depois são apresentados em exposição. O trabalho desenvolvido pelo Museu, permite a criação de uma identidade cultural, assumindo o património um significado especial - os objectos contam-nos histórias, revelam-nos o quotidiano das pessoas, falam-nos das alegrias e preocupações doutros tempos.

: O Museu Municipal de Benavente está instalado num palacete do século XVIII, mandado construir por Francisco José Colaço Lobo, lavrador e capitão-mor da vila, localizado no antigo arrabalde da vila. O edifício funcionou como casa de habitação, até que em meados do século XX, foi adquirido pelo Dr. António Gabriel Ferreira Lourenço, que aí instalou o Pensionato do Colégio de Benavente.

: O edifício desenvolve-se em dois pisos e originalmente possuía outras construções anexas para estábulos e armazéns, bem como um pequeno jardim que facilitava o acesso para o exterior através de um portão contíguo à fachada principal.

: A fachada principal ostenta varandas no primeiro piso e uma porta com frontão em pedra. No interior existe um grande átrio de entrada de onde parte num dos extremos uma escadaria em pedra, que começa num patamar encimado por dois arcos de cantaria.

Contactos Úteis

  • CMB

  • Juntas de Freguesia

  • Emergência

  • Serviços externos

  • Saúde

  • Transportes

  • Espaços Culturais

    Centro Cult. Samora Correia: 263 519 693

    Centro Cultural Benavente: 263 653 620

    Cine-Teatro de Benavente: 263 519 637

  • Bibliotecas Municipais

    Benavente: 263 519 655 / Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Odete e Carlos Gaspar: 263 650 510 / Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

  • Serviço Municipal de Proteção Civil

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Telefone: 263 580 088

    Telemóvel: 961 205 864

  • Emails

    Geral: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    GAP: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

    Obras: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Educação: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

  • Telefones

    Geral: 263 519 600

    GAP: 263 519 641

    GIRP: 263 519 612

    Obras Particulares: 263 519 654

    Educação: 263 519 645

  • Outros

    Ext. Serviços Samora Correia: 263 519 690

    Espaço Internet Benavente: 263 589 493

    Espaço Internet S. Correia: 263 653 574

    Piscinas Benavente: 263 519 682

    Piscinas Samora Correia: 263 519 691

  • Museu Municipal de Benavente

    Telefone: 263 519 665

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Site: museubenavente.blogspot.pt 

  • Samora Correia

    Telefone: 263 650 670

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

    Site: www.jf-samoracorreia.pt 

  • Benavente

    Telefone: 263 589 583

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

               Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Site: www.jf-benavente.pt 

  • Santo Estêvão

    Telefone: 263 949 216

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

               Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

    Site: www.jf-stoestevao.pt 

  • Barrosa

    Telefone: 263 580 373

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Site: www.jfbarrosa.com 

  • Bombeiros Voluntários

    Benavente

    Telefone: 263 516 122

     

    Samora Correia

    Telefone: 263 651 115

  • GNR

    GNR Benavente

    Telefone: 263 518 220

     

    GNR Samora Correia

    Telefone: 263 650 020

  • PT Comunicações

    Avarias

    16 208

  • Águas do Ribatejo

    Geral: 263 509 400

    Número Azul: 808 202 011

    Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

    Site: www.aguasdoribatejo.com 

  • SETGás

    Avarias

    800 273 030

  • EDP

    Avarias: 800 506 506

    Santarém: 243 005 700

  • Farmácias

    Batista (BNV) - 263 580 108

    Miguens (BNV) - 263 517 851

    Central (SC) - 263 651 141

    Mendes (PA) - 263 652 333

     

  • Centros de Saúde

    Benavente:

    263 516 147 / 188

    Samora Correia:

    263 650 900 / Site oficial

  • Táxis

    Benavente

    963 053 622

    Samora Correia

    963 050 030

  • Rodoviária Ribatejana

    Serviço Geral:

    263 100 654